Apoie este movimento

19/10/2011

TRISTE REALIDADE

Como já suspeitávamos, as bombonas que são utilizadas como lixeiras no Parque Estadual do Rio Doce são mais que inadequadas: podem ser nocivas.

Estivemos hoje no PERD dia 19 de outubro de 2011 (e estaremos sempre), para fazer uma visitação e ao observar de perto as lixeiras espalhadas por todo o parque deparamos com o que mais temíamos: são vasilhames de material classificado como “corrosivo”, indicado nos rótulos. Veja as fotos a seguir.










Será que este vasilhame foi limpo por dentro? Dificilmente, pois sequer o rotulo foi removido.
Ora, o que quer que se guardou ali dentro certamente pode contaminar o local, com o risco também de contaminar os animais que reviram as lixeiras em busca de alimentos, uma vez que as lixeiras são abertas e com certeza pode ocorrer o arraste de produto químico para o meio ambiente.


Como não conseguimos falar com a gerência do parque, conversamos com os guardas camping presentes e com o encarregado da portaria sobre o problema. Pelo menos apresentavam o peito cheio de medalhas indicando muito orgulho do que fazem.
Pode ser que não haja perigo nenhum. Pode ser até excesso de zelo de nossa parte. Mas esta não é a imagem que queremos difundir de parque. No mínimo ela revela uma contradição: será que os guardiões de nossas áreas de conservação estão preocupados realmente com o meio ambiente? Poxa, nem removeram os rótulos para disfarçar.
Agora estamos pedindo encarecidamente aos administradores do parque que removam imediatamente estas lixeiras, antes que alguém divulgue isto para a grande imprensa ou para a televisão evitando não só prejudicar a imagem do PERD como também para praticar de verdade ações de preservação. Não se preserva contaminando o solo. Não se preserva contaminando o meio ambiente.
Perguntamos: resíduo corrosivo ajuda ou atrapalha a preservação dos animais em risco de extinção que têm no parque o seu refúgio?
Pelo amor que temos ao parque, ficamos profundamente entristecidos com esta realidade.
Sugerimos, até que se encontre outra fórmula de resolver o problema, o uso da solução criativa da RKG Ambiental: lixeiras revestidas de madeira tratada, com tampas pesadas, que dificilmente são abertas ou derrubadas pelos animais.

É simples. Basta seguir o exemplo da RKG.

Nonato

Depoimento de Miriam Utsch

Foi com grande satisfação que participei deste projeto com a RKG Ambiental. Conheci o trabalho da empresa quando estive no Parque Estadual do Rio Doce, em 2005, fazendo o Curso de Guarda-Parques ministrado pelo IEF. Na oportunidade, o Sr. Nonato Jacome me apresentou seu projeto e eu enxerguei naquele momento a chance de realizar meu sonho e contribuir com a educação ambiental dentro de uma Reserva de Mata Atlântica. Sou da Serra do Cipó e estou envolvida com Unidade de Conservação desde os meus 14 anos de idade, quando participei do Curso de Condutores Ambientais do Parque Nacional da Serra do Cipó. Daí em diante tive a oportunidade de participar de vários cursos e debates sobre Uso Público em UC, inclusive pesquisando outras UCs fora do Brasil, como exemplo o país da Costa Rica. Trabalhei contratada pelo Ibama como Brigadista de Incêndios Florestais e depois continuei empregada no PARNA Serra do Cipó através de sua empresa terceirizada. Somando foram 05 anos convivendo com turistas, pesquisadores, Engenheiros florestais, biólogos, etc. Minha educação ambiental foi formada dentro de Unidade de Conservação e confesso ser esta a minha maior paixão.

Quando fui trabalhar na RKG Ambiental me mudei para o Parque Estadual do Rio Doce, onde pude interagir e conviver com a comunidade do entorno do Parque e com os turistas. No inicio muito coisas me assustavam e me causavam tristeza, a mais chocante de todas era que a maioria das pessoas que moravam no entorno do PERD não conheciam e/ou não gostavam do parque. Muitos criticavam o atendimento e alegavam maus tratos, outros achavam que o parque era apenas uma lagoa para pescar e quantos me perguntaram onde fica este lugar? Primeiro veio a frustração, pois na minha região o que mais valorizamos é o Parque Nacional da Serra do Cipó e ele é o responsável pela geração de renda para milhares de pessoas que vivem do Turismo na região. Segundo veio a admiração pela pessoa de Nonato Jacome, que todos os dias chegava empolgado e com vários projetos para mudar aquela paralisia que tomava conta das pessoas e do próprio órgão IEF. A este grande Sonhador e Idealizador minha grande admiração e respeito. E em terceiro meu amor ao Meio Ambiente e as pessoas, foram os motivos que me levaram a lutar com a RKG Ambiental para resgatar e apresentar o PERD para o Vale do Aço e o mundo. Nosso trabalho foi grande, apresentamos o parque para as comunidades do entorno, para MG e vários estados; geramos empregos, buscamos novas fontes de renda para a comunidade, realizamos várias melhorias na infra-estrutura do PERD e colocamos qualidade no atendimento aos turistas. E o mais importante criamos um novo conceito de uso público em UC sem jamais infringir o seu Plano de Manejo e as demais diretrizes que regem uma Unidade de Conservação.

Como é triste vê tudo aquilo abandonado, macacos tomando choque, infra-estrutura deteriorando por falta de cuidado e uso, passeios de barcos cancelados, projetos engavetados e comunidades esquecidas.

Este ideal não pode morrer, o Parque Estadual do Rio Doce e a Mata Atlântica são valiosos demais para serem esquecidos em um simples pedaço de papel. A RKG Ambiental tem o compromisso de convocar a todos para lutar por um futuro onde nossos filhos e netos tenham o direito de respirar, nadar, conhecer a flora e fauna, interagir e proteger esse Bioma tão importante para a sobrevivência do nosso planeta.

Vamos lá, acorda Vale do Aço, essa riqueza pertence a vocês!

Miriam Aparecida dos Santos Ferreira Utsch

12/10/2011

PERD@

A riqueza mais preciosa que tenho na vida, além de minha família, é meu círculo de amizades e você faz parte deste grupo especial, para o qual tenho profundo respeito e consideração.
O trabalho que fiz e que faço sempre foi compartilhado com meus amigos e amigas, que nunca me faltaram o apoio e o reconhecimento.
Isso me fortalece e me deixa cada vez mais capacitado para realizar mais e mais, sabendo que as pessoas certas saberão reconhecer e aplaudir o esforço, pois são para essas pessoas que dedico minhas energias e minhas ações.
Com certeza, você faz parte definitiva desta imensa confraria de vida.
Estou remetendo para sua apreciação o recém criado site perd@ que retrata a saga de nosso trabalho pelo Parque Estadual do Rio Doce durante um período de muita produtividade, que você se lembra bem.
Se você acha que estas páginas feitas com muito carinho e cuidado tem conteúdo e significado para você, clique em curtir e divulgue para seu círculo de amizades também.
Nesse momento toda a força de meus amigos será muito bem vinda.
E, da minha parte, fico eternamente grato a você.
Do amigo,
Nonato.
RKG Ambiental

Acesse: www.perda.com.br

PERD@

06/07/2011

UM TRABALHO ROMPIDO..

...projetos engavetados e sonhos desfeitos.
Perguntamos: se o público em geral, as comunidades do entorno, a população da região, todos enfim aplaudiram nossos projetos, por qual motivo eles foram paralisados? A quem interessa esta situação? Sabemos quem está perdendo com este gesto de insensibilidade sócio-ambiental. Mas quem está ganhando? Sério: quem sai ganhando nesta história?
Temos que estar alertas. O ecossistema que estamos tentando preservar sofreu a destruição durante muitas décadas. Agora querem destruir nossa capacidade de realização, nossa criatividade e nossos empreendimentos.
É hora de começarmos a preservar também nossas consciências, nossas inteligências e nossa cidadania.

MAIOR PROJETO DE TURISMO SUSTENTÁVEL É ENGAVETADO NO VALE DO AÇO.

MAIOR PROJETO DE TURISMO SUSTENTÁVEL É ENGAVETADO NO VALE DO AÇO.
Em Julho de 2005, começou no Parque Estadual do Rio Doce (PERD) a execução de um dos maiores projetos de Turismo sustentável em Unidade de Conservação (UC) de Minas Gerais, abrangendo e beneficiando todas as comunidades do entorno do parque, isso quer dizer, mudança de Cultura no Vale do Aço. Esse projeto teve inicio quando a empresa RKG AMBIENTAL ganhou a Concessão do Uso Público do Parque Estadual do Rio Doce, uma Parceria Pública Privada (PPP) com o Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais (IEF/MG), que seria um modelo de gestão pioneiro a ser implantando em Unidade de Conservação (UC) do estado e futuramente no Brasil.
Em 24 de junho de 2007, a RKG Ambiental teve seu contrato cancelado, com a promessa da Secretaria do Estado de Meio Ambiente e do IEF, de realizar uma correção no contrato para posterior continuação dos projetos da RKG Ambiental no Parque Estadual do Rio Doce, e devido a essas promessas a RKG Ambiental não retirou seus bens materiais do PERD. Dispensamos mais de 20 funcionários, sendo a maioria da comunidade do entorno e todos dependentes deste emprego para o sustento de suas famílias. Mesmo com as divergências criadas com a gerência do parque, pois a concepção de turismo em UC na atual administração do parque não condizia com as propostas do Ministério de Meio Ambiente e nem com a dimensão da importância deste parque para a preservação do pouco que sobrou da Mata Atlântica em nosso país; mais uma vez reafirmamos a idéia de que para preservar é preciso conhecer!
Vamos mostrar nesse BLOG como tudo isso aconteceu e como o PARQUE é "PRESERVADO".

26/08/2010

A Estrada Ecológica

Estrada Parque que liga Marliéria ao Parque Estadual do Rio Doce e a grande destruição ambiental.

06/08/2010

Desmatamento ilegal para produção de carvão.

Humberto Candeias e outras quatro pessoas foram detidas durante operação que investiga corrupção no desmatamento ilegal para produção de carvão.

05/08/2010

Presa cúpula do IEF

Diretores do IEF (Instituto Estadual de Florestas) são presos por suspeita de envolvimento na Máfia do Carvão. As prisões foI uma operação conjunta da Polícia Federal, Receita e Ministério Público, em Teófilo Otoni e Belo Horizonte. São seis pessoas da cúpula do Instituto que foram exoneradas, recentemente, por corrupção.

10/03/2010

COMO SER O MELHOR

Confira neste vídeo, produzido pela RKG, nossos propósitos, nossos ideais, nossas diretrizes e nossa filosofia de trabalho.
Este sempre foi e será nosso propósito: fazer bem feito, de forma competente; fazer com o coração para ser o melhor.

16/02/2010

Depoimento de PAULO SÉZIO




A visão sistêmica de PAULO SÉZIO, hoje Consultor de projetos turísticos e em out/2006, coordenador de turismo. Uma análise muito lúcida sobre o Parque Estadual do Rio Doce. É a opinião de quem entende do assunto. Paulo também, parceiro da RKG Ambiental.

03/02/2010

Miriam Utsch disse...

"O que acontece com as Unidades de Conservação em nosso país é alarmante! Estão entregues ao descaso do Poder Público, é o que posso afirmar quando vejo imagens como estas. Quando o IEF teve a brilhante idéia de fazer uma Parceria Público Privada para administrar uma Unidade de Conservação; mesmo que somente a parte de Uso Público, pensei comigo, até que enfim uma medida foi adotada para salvar as Unidades de Conservação da má administração dos poderes públicos. Afinal, no Brasil, administração não é o forte do poder público, pois o excesso de burrocracia fazem do sistema público um caos total, em todas as áreas, seja ela ambiental, saúde, politica, etc.
A minha crítica é no intuito de melhorar, não estou aqui para jogar pedras nos órgãos públicos, afinal minha educação ambiental é graças ao Ibama e IEF, por isso eu me considero no direito de dizer tais verdades como alerta. O IEF surpreendeu quando mudou seus conceitos e fez tal parceria, é preciso inovar, buscar quem sabe fazer e executar. Mas também é preciso coragem, para nas dificuldades, ir em frente e buscar sempre o melhor, regredir faz perder a confiança tão necessária nas mudanças.
Vamos mudar, juntar administração pública com a privada, o progresso do nosso país está no NOVO!"
Míriam Utsch

2 de fevereiro de 2010 20:49

18/01/2010

MINHA VIDA

No nosso tempo no Parque a gente era feliz e disto sabiamos. só não sabiamos que esta felicidade se perdia, enquanto a gente crescia...

15/01/2010

Deu no guia:

O Guia Turismo e Negócios edição de 2010, publicação de primeira qualidade sobre a Região Metropolitana do Vale do Aço, mostra na página 137 fotos sobre a infra-estrutura do parque. Veja a reprodução desta página, a seguir, e confira o quanto um trabalho profissional levado a sério contribui para o convívio harmonioso com o meio ambiente.
Alertamos, entretanto, que a foto demarcada pela seta é de 18/01/2006, portanto, há exatamente 4 anos atrás. Neste período o parque era administrado pela RKG Ambiental.



Hoje a realidade é outra, conforme a foto a seguir (de 7/1/2010)

14/01/2010

DESCASO 29/12/09 A 07/01/2010

“Não podemos continuar a fazer de conta que tudo está bem... porque não está!” frase para reflexão durante a exibição das fotos a seguir. Referência ao excelente blog: www.sustentabilidadenaoepalavraeaccao.blogspot.com/

09/01/2010

RESTAURANTE

A RKG Ambiental, para oferecer atendimento profissional, investiu com seriedade na reforma do restaurante do parque, no mobiliário, na manutenção, na assepsia, na limpeza e em uma equipe qualificada. O resultado foi surpreendente: o restaurante, na gestão da RKG oferecia um padrão adequado para todos os públicos, mesmo os mais exigentes. Afinal, o Parque merece este tratamento. O restaurante do parque era o cartão de visitas, um exemplo de excelência ambiental e jamais foi tratado como um boteco da esquina.

GESTÃO RKG Junho/2005 a Junho/2007 –


HOJE 29/12/2009.

05/01/2010

BARCOS

Barcos para os turistas, quando a RKG administrava:


Equipamentos limpos, adequados para o local, seguros, com a manutenção em dia e disponíveis para o uso imediato.
Assim a RKG sempre administrou os projetos do parque. Respeito às pessoas e à natureza. Tudo feito por quem gosta realmente do que faz e não teme investir onde for preciso. Trabalho honrado e competente.
Registro fotográfico feito no píer da Lagoa Dom Helvécio 2005.


Barcos para os turistas, hoje:

Registro fotográfico feito em 29/12/2009.
Obs.: Até o barco de inox, belo projeto da Arcelor Mittal com a RKG Ambiental, se encontra enterrado no chão do abandono...

30/12/2009

Soluções ambientais

1 - Soluções ambientais na gestão RKG
A RKG Ambiental utilizou de criatividade para solucionar problemas no convívio adequado com os animais em risco de extinção. Na foto abaixo, uma onça talhada em fibra de vidro, mantinha longe os macacos, sem colocá-los em risco. Os animais se acercavam do restaurante pelo telhado. Solução inteligente e de caráter preservacionista.
Registro fotográfico: período de Junho/2005 a Junho/2007 – Gestão RKG.






2 - Soluções ambientais hoje:
Cerca elétrica.
Registro fotográfico em 29 de dezembro de 2009.

17/12/2009

Projeto Muriqui



Comunicação integrada para toda a comunidade do PERD
Através da TV, site, jornal, DVD (revista eletrônica) e rádio, o projeto Muriqui informava seus visitantes sobre o que acontecia no Parque. Uma forma de divulgar as ações da reserva promovendo interação com a comunidade.
Este projeto tinha o principal objetivo de divulgar todas as informações atualizadas sobre o PERD, orientar visitantes e a região do entorno além de manter o registro dos eventos e lançar um meio interativo de comunicação com todos os admiradores do Parque Estadual do Rio Doce.Em dois anos de atuação da RKG Ambiental, foram elaborados 9 vídeos de divulgação e treinamento.
Veja nossos videos no youtube!...
http://www.youtube.com/rkgambiental

15/12/2009

Quiosque para o Centro de Treinamento:

Construído para complementar a infra-estrutura de treinamento, este quiosque confeccionado dentro da mais adequada técnica ecológica, organizou o conjunto de recursos disponibilizados pelo parque para realização de eventos.
A RKG Ambiental foi totalmente responsável desde o projeto até a inauguração e proporcionou aos participantes e visitantes um ambiente para treinamento e outras atividades de grupo especialmente aberto e integrado ao ambiente do parque.
Esta solução jamais havia sido testada no PERD e funcionou de maneira fantástica. Quem já participou de eventos no local sabe o padrão de conforto, segurança e beleza deste quiosque.

14/12/2009

Um trabalho rompido...

...projetos engavetados e sonhos desfeitos.
Perguntamos: se o público em geral, as comunidades do entorno, a população da região, todos enfim aplaudiram nossos projetos, por qual motivo eles foram paralisados? A quem interessa esta situação? Sabemos quem está perdendo com este gesto de insensibilidade sócio-ambiental. Mas quem está ganhando? Sério: quem sai ganhando nesta história?
Temos que estar alertas. O ecossistema que estamos tentando preservar sofreu a destruição durante muitas décadas. Agora querem destruir nossa capacidade de realização, nossa criatividade e nossos empreendimentos.
É hora de começarmos a preservar também nossas consciências, nossas inteligências e nossa cidadania.
Um abraço
Nonato Jácome.

12/12/2009

Outro projeto que foi para a gaveta:



A Cabana Ecológica
Feita com eucalipto tratado, ou seja, madeira reciclável, rústica e com as dimensões iguais a uma tenda de acampamento. Esta idéia simples é fruto da inventividade das pessoas parceiras da RKG Ambiental. É o nosso iglu tropical...
Dá pra imaginar como ficaria maravilhoso um acampamento construído com este modelo?
Lógico, seria sucesso total, para todos os públicos: famílias, namorados, amantes da natureza, ambientalistas, etc. Não consigo imaginar uma pessoa sequer que pudesse passar indiferente a esta idéia.

11/12/2009

MAIS PRROJETOS ENGAVETADOS


video


Outro projeto inédito engavetado:
Barco totalmente em Inox!Unindo a tecnologia de ponta na fabricação de Inox da Arcelor Mittal, com o conceito de preservação ambiental, a RKG integrou o projeto que criou, confeccionou e lançou na lagoa Dom Helvécio, o barco de inox, dotado de motor elétrico, apropriado para operar no local, sem agredir a flora ou a fauna.
A idéia é a utilização do empreendedorismo do entorno do PERD para produzir barcos de altíssima qualidade para o mercado brasileiro e internacional, ou seja, gerar empregos e preservar o ecossistema.
Um projeto literalmente brilhante que se encontra hoje à disposição dos visitantes do parque. É só conferir esta jóia da criatividade e do talento da região.

06/12/2009

PROJETOS QUE FORAM ENGAVETADOS



Ecolojinha do Parque, um carro plotado com imagens do parque, para divulgar a reserva e vender os produtos artesanais da comunidade do entorno da UC em feiras e congressos por todo estado. Este veículo era uma Ducato todo equipado com equipamentos áudios-visuais e telão para projeção de filmes do Cine Comunidade e vídeos do parque, uma ferramenta essencial no trabalho de educação ambiental da empresa no entorno do parque e divulgação do PERD para o Brasil.

04/12/2009

Vergonha de ser honesto



"de tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto..."

01/12/2009

Espectativa da Comunidade



Espectativa da Comunidade sobre a melhoria do Parque Estadual do Rio Doce com a nova Concessão da Empresa RKG Ambiental em 2005.

30/11/2009

Carta ao Leitor...

O projeto da RKG Ambiental, não se limitou ao Eco-turismo. Prova disto que, em 31/05/07 o Ministério Público, representados pelas pessoas do DD. Procurador Tomáz de Aquino Resende – Curadoria da Comarca de Belo Horizonte; e DD. Maria Regina Lages Perílli, da Curadoria das Fundações da Comarca de Timóteo/MG, autorizou o registro do estatuto da Fundação RKG Ambiental.

Em vista do ocorrido com a concessão desastrosa, seja pelo amadorismo da autarquia ou pelo simples caprichos de terceiros, o projeto continua sendo um sonho porque depende de um trabalho em equipe. E trabalhar em equipe não é trabalhar como quem temos afinidade, ao contrário, é trabalhar com quem tem competência para fazer. E nós, da RKG Ambiental, provamos que temos este know-how.

Lanço agora um desafio e lhe pergunto Caro Leitor: Como preservar aquilo que não se conhece?
Posso afirmar que, um dos instrumentos que utilizaríamos para a conscientização das pessoas seria comunicação. Educar é comunicar! Comunicar é tornar comum algo, isto é, levar ao conhecimento!
Muitos foram os projetos criados e que foram deixados pelo caminho, como por exemplo, o Cine Comunidade; Teatros de fantoches nas praças; visitas as escolas; promoção de eventos nas comunidades e muitos outros.
O mais importante é que, todos os projetos tinham em sua essência o de envolver a comunidade para promover a formação de crianças, jovens e adultos, através do lazer criativo, produtivo e participativo. Viabilizando-os como pessoas e como cidadão na conscientização da preservação ambiental.

Você pode até estar pensando agora: - O que eu tenho com isto ?
Eu lhe respondo: Muito!
Vivemos em um planeta que está agonizando, e que apesar do nosso projeto parecer ser um grão de areia, as nossas atitudes pode sim e muito alterar o curso do nosso futuro e de nossos filhos. Pense nisto!

29/11/2009



Para construir o sonho do Projeto do PERD, a RKG Ambiental desenvolveu com muita seriedade, profissionalismo e alegria uma forma nova de transformação. Foi uma época de ritmo frenético de ações, realizações, criatividade, motivação e investimento. Com uma equipe dinâmica e bem preparada, a RKG lançou seu trabalho de forma original e inusitada, como, por exemplo, a Ecoljinha. Uma solução brilhante para divulgação do PERD e do trabalho artesanal da região. Resultado: Sucesso total.

27/11/2009

DEPOIMENTO FUNDAÇÃO ARCELOR MITTAL



O reconhecimento de quem sempre conduziu projetos de relevância e credibilidade junto à sociedade, parceiro de longa data da RKG

26/11/2009

DEPOIMENTOS DE NOSSOS PARCEIROS DURANTE O PROJETO PERD



A incontestável opinião um dos maiores especialistas em questões ambientais, parceiro da RKG.

25/11/2009



Depoimento autêntico do Prof. CÉLIO VALLE, Diretor de Biodiversidade do IEF sobre ação da RKG Ambiental no Parque Estadual do Rio Doce. Palavras de reconhecimento e incentivo para toda a equipe da RKG AMBIENTAL.Espírito de parceria e de comprometimento.

24/11/2009



Equipe da RKG Ambiental, que trabalhava no Parque Estadual do Rio Doce, totalmente motivada e voltada para um único objetivo: tornar o parque o melhor local de turismo ecológico de Minas Gerais e futuramente do Brasil.Profissionalismo e Idealismo.

23/11/2009

SER MELHOR


Todos queremos ser o melhor no que fazemos, e as vezes quando não conseguimos atingir o que queriamos em pouco tempo jogamos tudo ao alto e damos o assunto por encerrado. A RKG não vai desistir.

21/11/2009

SITUAÇÃO DO PARQUE ANTES DA RKG

Situação em que o Parque Estadual do Rio Doce se encontrava antes da RKG Ambiental obter a concessão da área - junho de 2005

MAIOR PROJETO DE TURISMO SUSTENTÁVEL É ENGAVETADO NO VALE DO AÇO.

Em Julho de 2005, começou no Parque Estadual do Rio Doce (PERD) a execução de um dos maiores projetos de Turismo sustentável em Unidade de Conservação (UC) de Minas Gerais, abrangendo e beneficiando todas as comunidades do entorno do parque, isso quer dizer, mudança de Cultura no Vale do Aço. Esse projeto teve inicio quando a empresa RKG AMBIENTAL ganhou a Concessão do Uso Público do Parque Estadual do Rio Doce, uma Parceria Pública Privada (PPP) com o Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais (IEF/MG), que seria um modelo de gestão pioneiro a ser implantando em Unidade de Conservação (UC) do estado e futuramente no Brasil.
Em 24 de junho de 2007, a RKG Ambiental teve seu contrato cancelado, com a promessa da Secretaria do Estado de Meio Ambiente e do IEF, de realizar uma correção no contrato para posterior continuação dos projetos da RKG Ambiental no Parque Estadual do Rio Doce, e devido a essas promessas a RKG Ambiental não retirou seus bens materiais do PERD. Dispensamos mais de 20 funcionários, sendo a maioria da comunidade do entorno e todos dependentes deste emprego para o sustento de suas famílias. Mesmo com as divergências criadas com a gerência do parque, pois a concepção de turismo em UC na atual administração do parque não condizia com as propostas do Ministério de Meio Ambiente e nem com a dimensão da importância deste parque para a preservação do pouco que sobrou da Mata Atlântica em nosso país; mais uma vez reafirmamos a idéia de que para preservar é preciso conhecer!
Vamos mostrar nesse BLOG como tudo isso aconteceu e como o PARQUE é "PRESERVADO".